FAQ

?

DETECÇÃO DE BIOFILMES

BIOFINDER

REMOÇÃO DE BIOFILMES

BIOFILM REMOVE

1. Quem desenvolveu o BIOFINDER?
BIOFINDER é fruto de um projeto de investigação conjunta entre ITRAM HIGIENE, a UAB (universidad Autónoma de Barcelona) e o centro tecnológico LEITAT. Neste projeto interviram especialistas em química, microbiologia, higiene e segurança da industria alimentícia.

2. Mecanismo de ação?
Reação enzimática: Biofinder reage com enzimas -catalases- provenientes de microrganismos.

3. Como reage o produto?

BIOFINDER é um detector de biofilmes, reage com biofilmes e produz espuma, contrastando com a cor alaranjada do produto.


4. Como se forma a espuma? 
A espuma é causada por uma reação enzimática que liberta oxigênio quando identifica a presença de enzimas catalase.

 

5. Qual é a causa da reação de espuma por 10 min?

Através de sua fórmula tensoativa e à sua natureza viscosa, a produção de bolhas de oxigênio mantém-se durante um período de tempo, o que permite uma observação visual durante pelo menos 10 min ou mais tempo.

 

6. Qual é a quantidade mínima de microrganismos que deveriam estar sobre uma superficie para obter uma reação positiva?

Para que uma reação seja visualmente positiva deveria haver mais de 4 unidades logarítmicas. As concentrações inferiores reagem, mas, uma vez que é um método sensorial, daria uma reação muito ténue, sendo mais difícil de visualizar.

7. Pode haver uma reação falsamente positiva?
Sim, e para evitar reações falsamente positivas, recomendamos aplicar o produto sobre superficies depois da limpeza e desinfeção, ou alternativamente quando não haja resíduos de alimentos visíveis
Porquê?

Alguns alimentos, não todos, contêm catalases e podem originar uma reação positiva. De todas as formas, isto indicaria pequenos níveis de contaminação, o que está ligado a um risco potencial de crescimento de microrganismos e a consequente formação de biofilmes. Finalmente representaria um risco de segurança para o alimento. Neste caso BIOFINDER estaria atuando como un indicador de higiene.


8. BioFinder, é similar ao ATP?

Sim, ambos são métodos enzimáticos, mas BIOFINDER é apenas qualitativo e a detecção de ATP por BIOLUMINISCÊNCIA é semi-quantitativa. A presença de ATP avalia de maneira indireta a presença de microrganismos ou outro tipo de contaminantes que contenham a molécula de ATP. Esta reação enzimática produz luz qué é medida através de um equipamento. Este método utiliza uma escala para interpretar a quantidade de luz produzida em UNIDADES RELATIVAS DE LUZ (URL). A maior leitura de URL, corresponde maior quantidade de ATP presente na amostra e, portanto, maior contaminação.


9. Que tipo de biofilme o BioFinder detecta?
Detecta biofilmes de microrganismos compostos de: bactérias, leveduras e fungos. Estes últimos formam pseudobiofilmes mediante o crescimento de hifas. Os biofilmes podem ser de uma só espécie (monoespécie) ou de várias espécies (multiespécies). De mencionar que também pode detectar algumas algas verdes.

10. Lista de microrganismos provados com BioFinder?
- Listeria monocytogenes.
- Escherichia coli.
- Staphylococcus aureus.
- Cronobacter sakazakii
- Salmonella spp.
- Pseudomonas aeruginosa.

11. Funciona com fungos?
Sim, se os microrganismos são aeróbicos tais como Candida albicans, Aspergillus, Penicillium, Saccharomyces cerevisiae, etc. Devido ao fato destes tipo de microrganismos serem maiores, com o mesmo número de células (ex.: 4 unidades logarítmicas) originariam uma reação mais visível que com as bactérias.

 

12. É seletivo para algum tipo de bactéria?

Não precisamente a um só tipo de bactéria, mas a um tipo de microorganismos. O nosso produto apenas reagirá quando em contato com biofilmes compostos de um ou mais microrganismos que contenham a enzima catalase, ou seja, catalase-positivos (bactérias, leveduras e fungos). Recordemos que detecta uma reação enzimática, uma propriedade química presente em muitos microrganismos vivos.

 

13. Têm dados que demonstrem que BioFinder tem capacidade para detectar um vasto leque de bactérias?

BIOFINDER tem sido testado com os microrganismos mais relevantes da indústria alimentar e está validado por um laboratório com certificação ENAC (Entidad Nacional para a Acreditación e Certificación).

 

14. O método está aprovado por algum organismo regulador internacional?

De momento não contamos com nenhum reconhecimento internacional. Está em trâmite o processo para notificar perante a FDA os seus usos e aplicações para ser exportado para os Estados Unidos. De mencionar que alguns componentes já contam com a aprovação da FDA.

 

15. Tem registo ANVISA?

Não, porque a aplicação principal de BioFinder é detectar biofilms e não se está comercializando como um biocida. Apesar de que a percentagem de Peróxido de hidrógeno no produto possa ter um efeito biocida, não é suficiente para ser registado como desinfectante de contacto. Avaliou-se a eficácia bactericida a 100% pela norma UNE EN 13697, requerida para o registo de um biocida, e não apresentou actividade bactericida sobre superficies depois de 5 min a 20°C para duas cepas de referência indicadas pela norma.
 

16. Deve-se aplicar sobre uma superfície seca ou pode estar úmida?

Recomenda-se usar sobre superficies recentemente higienizadas, pelo que, se a aplicação é imediatamente a seguir ao processo de higienização, estará ligeiramente úmida. O nosso produto é de natureza viscosa para que em superfícies secas a adesão seja imediata e, portanto preferível. No entanto, o produto por conter agentes humectantes facilita atravessar uma ligeira capa de água, contactar e reagir com os microrganismos que cumpram os requisitos mencionados anteriormente.


17. Se entro num tanque e aplico Biofinder, para eliminá-lo completamente é suficiente um enxaguamento de 10 min? E em superficies abertas?
Sim seria suficiente em sistemas CIP, e em superfícies abertas bastaria realizar um enxaguamento normal, com água abundante e com pressão, como o realizado depois da aplicação de um detergente comum.

 

18. BioFinder, poderia deixar resíduos tóxicos depois de enxaguar?

Se o enxague for o adequado não, já que os componentes, no percentual em que foram formulados, e segundo a legislação vigente, não são considerados perigosos e apenas com um enxague normal não devem deixar resíduos, uma vez que a fórmula é altamente solúvel em água.


19. Quais as superfícies já provadas com BioFinder?
- Aço inoxidável.
- Polipropileno.
- Superfícies com pintura epoxi.


O que não significa que Biofinder não possa ser aplicado sobre outras superficies, tais como:
- Polietileno de alta densidade.
- Politetrafluoroetileno.
- Cloreto de polivinilo.
- Poliuretano.
- Vidro de borosilicato.
- Cerâmica.
- Têxteis, (poliamida, algodão, poliéster, e nylon), etc.
Obs. Não deve usar-se em superfícies de madeira pintadas ou lacadas porque descora.

 

20. A rugosidade na superfície de aplicação é um fator pra se levar em conta?

Não, o produto tem sido testado sobre superfícies habituais dentro da indústria alimentar, farmacêutica e/ou hospitalar. As superfícies mais rugosas são mais adequadas para a aderência de microrganismos, que crescem em forma de clúster nas fendas, e o nosso produto por ser um líquido ligeiramente viscoso não terá dificuldade em penetrar nessas rugosidades. Portanto, a reação se visualizaria de igual maneira.


21. Funciona em superfícies têxteis com contaminação microbiana?
Sim, reagirá se houver um grupo suficiente de microrganismos, um biofilme, com mais de 104 células bacterianas catalase-positivas.

22. Se aplicarmos o produto a um pavimento e não borbulhar, qual pode ser a explicação?
Que não há uma quantidade suficiente de microrganismos catalasa-positivos.

 

23. Em zonas frias, tarda mais em reagir?

As enzimas sempre têm uma temperatura ótima de reação. Abaixo do intervalo ótimo a sua atividade retarda por acima, e por ser uma proteína, chegará a um ponto em que se desnaturaliza e perde totalmente a sua atividade sobre o substrato, neste caso o substrato é o peróxido de hidrogénio contido na fórmula de BIOFINDER. Existe um estudo onde se menciona que a catalase de Micrococcus luteus (enzima industrial) é óptima de 10 - 55°C com atividade relativa de 95 - 100 %. Acima de 55°C a atividade começa a diminuir conforme aumenta a temperatura até à perda total.

 

24. O borbulhar deve ser em toda a solução aplicada ou basta que ocorra num só ponto para que se considere positivo?

A formação de espuma revelará o local onde está a contaminação por biofilmes. Por tanto, não necessariamente deve ser em toda a área onde se aplicou o produto.

 

25. Existe algum ângulo sugerido para aplicar o produto?

Basta que possa pulverizar suavemente sobre a superfície, para evitar que se gerem borbulhas ao aplicá-lo. Pode fazer-se sobre superfícies horizontais com ângulo aproximado de 45°, ou sobre superfícies na vertical, com um ângulo entre 45 - 135°.

 

26. Posso usar qualquer aplicador? Pensando no caso que o aplicador do BioFinder se danifique.

Recomendamos um aplicador similar, ou seja, que aplique em forma de esguicho (não atomizador), que tenha maneira de regular a saída do produto e um fecho total hermético.

 

27. Que fatores podem afetar a atividade do BioFinder?

Um armazenamento inadequado, como a exposição a altas temperaturas ou aos raios solares.

 

28. Quanto tempo o produto está no mercado?

BIOFINDER foi lançado na Espanha em 18 de outubro de 2012, no Congresso KAUSAL, que trata de temas atuais sobre segurança alimentar.

 

29. A explicação de que a reação seja lenta é devido ao metabolismo dos microrganismos?

A reação será lenta só se o meio ambiente for muito frio. É sabido que alguns microrganismos têm a capacidade de crescer a temperaturas de refrigeração. O ideal é aplicar BIOFINDER à temperatura ambiente, ou seja, que o meio não esteja muito frio (aprox. 20 - 25°C).

 

30. BioFinder reage com a pedra de cerveja?

Se há pedra de cerveja, o BIOFINDER reagirá com toda a segurança porque nela haverá sais orgânicos ou resíduos que serviram como substratos para que se adiram e se alimentem microrganismos formando biofilmes. A pedra de cerveja, geralmente, são compostos de sais de oxalato, que podem ser de cálcio o magnésio, mas também podem ser de outros sais orgânicos. Isto origina o crescimento de microrganismos aderidos a elas.

 

31. Podemos afirmar que Biofinder pode ser um avaliador da qualidade da desinfeccção?

BIOFINDER é um verificador da ausêcia de biofilmes num meio ambiente naturalmente aeróbico (comum nas indústrias alimentar). E, por consequência, de todo o procedimento de higienização.

 

BIOFINDER é um complemento para o controle da higiene dentro do programa de limpeza e desinfecção. O seu uso é recomendável antes de retomar a produção (quando esta seja interrompida durante o fim de semana) para verificar a ausência de biofilmes nos pontos críticos de controle ou para controlar esses pontos onde há frestas, e incidência maior de contaminação.


32. Quantas aplicações ou análises se podem fazer com uma garrafa de BioFinder?
O número dependerá da superficie que se deseja cobrir, por exemplo:

5 ml de BIOFINDER (aprox. 6 sprays) podem cobrir uma área de 10 x 10 cm (100 cm2). Portanto, 1 garrafa com 500 ml = 100 aplicações aprox. como máximo.

 

33. Em superfícies de laboratorio, onde geralmente temos contaminações de 1 ou 2 colónias (bactérias) e como máximo um pico de 5 UFC/placa de contato, BioFinder reagirá?

Ensaios prévios demonstram que não, que não trabalha com células isoladas. Não é um número suficiente para assumir que se tem um problema de formação de biofilmes, que é o que nos daria problemas de segurança alimentar. No entanto, numa placa de contato, uma colónia não indica necessariamente que na superfície havia apenas um microrganismo. Também pode ter origem em um biofilme.

 

34. Em áreas hospitalares e/ou clínicas, não se têm os mesmos microrganismos “target” que na indústria alimentar, por exemplo: Streptococcus como Enterococcus, que formam biofilmes em equipamento médico. Então, BioFinder não reagiria com os biofilmes de microrganismos catalase-negativos?

Apesar de haver microrganismos catalase-negativos, a hipótese é que os biofilmes desenvolvidos naturalmente num ambiente aeróbico são mistos. Portanto, poderia haver minimamente algumas espécies catalase-positivas que nos permitiria visualizar a reação. 

 

35. Na indústria láctea, predomina na microflora ambiental bactérias catalase-negativas como são as ácido-lácticas (Lactobacillus spp., Pediococcus spp., Leuconostoc spp., Enterococcus spp., Streptococcus spp.). BioFinder, reagiria?

As bactérias ácido-lácticas são bactérias que requerem pouco oxigénio para se reproduzir (anaeróbias facultativas). As três primeiras dão problemas de alteração na indústria cervejeira, a quarta é mais comum e é indicadora de más praticas de higiene (E. fecaelis) e a quinta temos S. agalactie que dá problemas de mastites. Como no setor clínico (caso anterior), estas raramente formam por si só um biofilme num ambiente aeróbico. Geralmente estão misturadas com outros microrganismos. Desta maneira, é quando poderiam ser detectadas com BIOFINDER se houvesse na mistura microrganismos aeróbios catalase-positivos.


36. Há métodos rápidos no mercado que deixam manchas nas instalações, BIOFINDER mancha as superfícies?

Não, BIODINDER, ao contrário de outros métodos baseados em coloração não deixa nenhum tipo de mancha.

 

37. BioFinder é um produto patentado?

Sim, BIOFINDER encontra-se pendente de patente internacional. Atualmente detectou-se algum fabricante que tenta comercializar um produto similar, tentando copiar-nos, fato que temos denunciado por violação da nossa patente. É importante destacar que as cópias e imitações não trazem nenhuma garantia e carecem de estudos científicos que avaliem a sua eficácia.

 

38. O transporte e armazenamento de BIOFINDER requer algum tratamento especial?

Não, BIOFINDER não é considerado matéria perigosa, por isso NÃO requer transporte ADR e o seu armazenamento deve ser num lugar seco, mantendo-o a uma temperatura à volta de 20ºC evitando a luz solar direta sobre o recipiente.

1. Como funcionam as enzimas e os produtos enzimáticos?
As enzimas são catalisadores capazes de romper a matriz polissacarídea dos biofilmes. Esta matriz é o revestimento que protege os biofilmes dos agentes externos, como por exemplo dos detergentes convencionais ou desinfetantes. Quando a matriz se desfaz, as bactérias no seu interior ficam desprotegidas e podem ser destruídas mediante a ação de um desinfetante.
Uma vantagem importante dos produtos da gama Biofilm Remove consiste no fato de que, além de enzimas, também contêm tensoativos de nova geração, que lhes proporcionam uma grande capacidade de limpeza. Portanto, estes produtos eliminam biofilmes mas ao mesmo tempo limpam as superfícies.

2. A gama de produtos de Biofilm Remove elimina os biofilmes?
Os biofilmes podem ser perfeitamente eliminados das superfícies de trabalho. Os produtos Biofilm Remove quebram o biofilme que protege as bactérias no seu interior, de modo que estas possam ser posteriormente eliminadas com a utilização de um biocida.

3. Que enzimas compõem os detergentes enzimáticos da Itram Higiene, S.L.?
Cada produto é diferente e inclui uma, duas, três ou até quatro enzimas diferentes.

4. Como se pode saber se as enzimas estão ativas?
Esse conhecimento tem de ser obtido mediante um protocolo para quantificar a atividade enzimática (normalmente é utilizado um método fluorométrico ou espectrofotométrico). Não são métodos rápidos nem standard, requerem uma atualização do protocolo.

5. As enzimas deixam resíduo nas superfícies?
Para poder verificar que depois de os produtos enzimáticos terem sido aplicados e enxaguados não ficam resíduos de enzimas nas superfícies, podem ser utilizadas zaragatoas especialmente concebidas para a deteção de resíduos de proteínas. No mercado existem zaragatoas com um limite de detecção de 1 μg. Para mais informações, consulte o documento “Evaluation of enzyme residues after enzymatic treatments”.

6. As enzimas afetam os alimentos? A utilização desta tecnologia enzimática está aprovada na indústria alimentar?
Os detergentes enzimáticos da Itram Higiene, S.L. são perfeitamente seguros para ser utilizados em superfícies em contato com alimentos. Como quando se usa qualquer outro detergente, é importante garantir um correto processo de enxaguamento após a utilização dos detergentes enzimáticos. Mesmo assim, se não pudesse efetuar um enxaguamento correto, o consumidor não estaria a assumir nenhum risco para a sua saúde. Para mais informações, pode pedir o certificado que garante a sua segurança, o “Enzymatic Technology Food Safety Certificate”.

7. Como se podem desativar as enzimas?
As enzimas podem ser desativadas por vários métodos:
Alterações do pH, mais concretamente por aumentos do pH para valores superiores a 10 (tratamentos alcalinos), ou reduções para valores entre 2 e 4 (tratamentos ácidos).

Aumentos da temperatura para valores superiores aos 65 ºC.
Utilização de biocidas oxidantes, como produtos clorados ou peracéticos. Os biocidas com amónios quaternários não são os mais adequados para inativar as enzimas. Deixá-las secar. Se as enzimas não forem mantidas num ambiente aquoso, são inativadas.

8. As enzimas só desfazem os biofilmes?
As enzimas são de substrato específico, o que significa que só transformam e decompõem o tipo de matéria orgânica que encaixe perfeitamente com elas, como a matriz polissacarídea dos biofilmes.

9. As enzimas podem interferir com as leveduras na produção de cerveja e/ou queijo?
Não, se os produtos enzimáticos tiverem sido bem enxaguados, não haverá nenhuma interação com as leveduras quer na produção de cerveja quer na produção de queijo.

10. De modo geral, como são utilizados os produtos enzimáticos da Itram?
Para sistemas abertos:
Os produtos enzimáticos para superfícies abertas (fazem espuma) são aplicados com água quente (45-55 ºC) a entre 1% e 3% (dependendo do produto).
São aplicados da mesma forma que os detergentes convencionais (equipamentos de espuma, imersão, limpeza manual).
Depois de um tratamento enzimático, é sempre necessário aplicar um desinfetante.
Para mais informações, peça-nos os protocolos de aplicação.
Para sistemas fechados:
Os produtos enzimáticos para CIP (não fazem espuma) são aplicados com água quente (45-55 ºC) a entre 1% e 2% (dependendo do produto).
São aplicados por recirculação CIP.
Depois de um tratamento enzimático, é sempre necessário aplicar um desinfetante.
Para mais informações, nos peça os protocolos de aplicação.

11. Qual é a diferença entre o EnzyJet e o EnzyJet Plus?
O EnzyJet e EnzyJet Plus têm a mesma composição de enzimas, a diferença reside em que o EnzyJet Plus tem uma concentração superior de enzimas. O EnzyJet Plus foi especialmente concebido para ser aplicado em equipamentos de espuma regulados a 1% e o EnzyJet foi concebido para ser aplicado em sistemas regulados a 3%.

12. Como sabemos se estes produtos funcionam?
Depois de um tratamento enzimático, os resultados dos controles microbiológicos indicarão que os problemas dos biofilmes estão sob controle. Também é recomendável efetuar verificações com o BioFinder antes e depois dos tratamentos enzimáticos.

13. Têm algum caso específico estudado?
Sim, consulte a secção de “Casos de estudo”.

14. Os produtos enzimáticos estão patenteados?
Sim, o número de patente é o ES2464872.

15. Que vida útil têm os detergentes enzimáticos?
A técnica de estabilização utilizada pela Itram Higiene, S.L. permite que os detergentes enzimáticos tenham uma vida útil de 18 meses, exceto a do Tensio CIP, que é de 24 meses.

16. Depois de os produtos serem diluídos com água, durante quanto tempo as enzimas estarão ativas?
Depende da enzima e da formulação, mas de modo geral, as enzimas estarão ativas durante 12-24 horas.

17. Estes produtos requerem umas condições de armazenamento específicas?
O armazenamento recomendado encontra-se entre os 5 e os 25 ºC. O armazenamento terá de ser no recipiente original, intacto, seco e bem fechado. O produto tem de ser armazenado isolado de fontes de calor e elétricas. Não fumar na área de armazenamento. Sempre que for possível, será necessário evitar a incidência direta de radiação solar. Conservar afastado de agentes oxidantes e ácidos. O produto não pode ser armazenado a temperaturas superiores a 60 ºC.

18. Como se podem comparar com os restantes produtos químicos do mercado?
Os produtos enzimáticos têm um amplo conjunto de vantagens em comparação com os detergentes convencionais. Os produtos enzimáticos não são corrosivos para os equipamentos, atuam a um pH neutro, não afetam o meio ambiente, são biodegradáveis e são mais seguros de utilizar. Estes produtos foram concebidos para serem utilizados nos mesmos equipamentos de limpeza que os detergentes convencionais.

19. Com que frequência é necessário aplicar produtos enzimáticos no meu centro?
Há dois tipos de tratamentos: tratamentos de choque e tratamentos preventivos. Os tratamentos de choque são aplicados quando se sabe previamente que existem problemas de biofilmes. Os tratamentos preventivos são aconselhados para evitar o aparecimento de biofilmes e teriam de ser aplicados de forma periódica dependendo de fatores como o tipo de produto fabricado, a frequência da limpeza, as infraestruturas, etc. Além disso, recomendamos colaborar com o nosso Departamento de Qualidade para determinar essa frequência de aplicação, dado que este dispõe de uma compreensão clara dos problemas microbiológicos da zona. Este departamento poderá concretizar com que frequência aparecem os problemas microbiológicos e, a partir dessa informação, criar um protocolo/rotina de aplicação dos tratamentos. Recomenda-se aplicar o tratamento uma vez por semana ou por quinzena, ou com a frequência que o Departamento de Qualidade indicar. Os protocolos de aplicação podem ser requeridos à Itram Higiene, S.L.

20. A que pH podem ser utilizados estes produtos?
Cada enzima tem uns parâmetros ótimos de trabalho. A Itram Higiene, S.L. recomenda trabalhar com os seus produtos em valores de pH entre 7 e 9.

21. Qual é o pH limite das enzimas? O que passaria se a enzima fosse misturada com uma solução ácida ou básica?
Para o bom funcionamento das enzimas, o pH é crucial. Se forem misturadas com soluções ácidas ou básicas, as enzimas serão desativadas e provavelmente desnaturalizadas. Os produtos Biofilm Remove teriam de ser aplicados a um pH ótimo entre 7 e 9.

22. Qual é a temperatura ótima para aplicar as enzimas dos produtos Biofilm Remove?
A temperatura de trabalho para obter resultados ótimos com estes produtos encontra-se entre os 45 e os 55 ºC. A temperaturas mais baixas, as enzimas também funcionarão, mas a sua atividade será mais lenta, em cujo caso recomendamos prolongar o tempo de contacto e/ou aumentar a concentração do produto. A temperaturas superiores às recomendadas, as enzimas serão desnaturalizadas e desativadas.

23. A ação das enzimas é imediata?
Sim, está amplamente demonstrado, com muitas referências bibliográficas, que a ação de hidrólise das enzimas é instantânea quando as condições de pH e temperatura são as ótimas.

24. Quantos tratamentos são necessários para eliminar completamente os biofilmes?
Em tratamentos de choque recomenda-se realizar entre 3 e 5 tratamentos consecutivos para eliminar por completo os biofilmes. Dependendo do tipo de biofilme e da sua madurez serão aplicados 3 ou 5 tratamentos.

25. Há limitações de utilização?
A limitação mais comum é a temperatura. As temperaturas baixas diminuem a cinética das enzimas.
As enzimas não são estáveis a pH extremos ou quando a força iónica é demasiado alta. Os oxidantes e redutores afetam as enzimas de forma irreversível.

26. São produtos seguros de manipular?
A utilização de enzimas nos produtos de higiene da Itram Higiene, S.L. é segura para o utilizador. Foram realizados testes específicos que demonstram que os produtos enzimáticos aplicados com equipamentos de espuma não aumentam o risco de alergia por inalação. Mais concretamente, a Itram Higiene, S.L. e o seu fornecedor de enzimas realizaram uma avaliação de riscos para a aplicação dos seus produtos com equipamentos de espuma. Os níveis encontrados foram inferiores a 15 ng/m3, sendo totalmente adequados para garantir a segurança do aplicador. De qualquer forma, de acordo com os standards de segurança, quando há um risco de geração de aerossóis, recomenda-se utilizar uma máscara provida de um filtro P3 durante a aplicação e enxaguamento a alta ou média pressão, além de todo o equipamento de proteção normalmente utilizado com produtos químicos. Consulte a ficha de segurança para informação adicional sobre os nossos produtos.
Os produtos enzimáticos são muito menos agressivos que os produtos de limpeza tradicionais à base de soda, ácidos, amónios quaternários ou outros agentes oxidantes.

27. Quais são os riscos ambientais? Que impacto têm nas centrais de tratamento de águas?
As enzimas não geram riscos ambientais. As enzimas utilizadas nos detergentes enzimáticos são as mesmas que são segregadas pelas bactérias em processos de purificação de águas. Isto significa que as enzimas não causarão problemas nas centrais de tratamento de águas, ao contrário dos produtos convencionais, que podem provocar alterações drásticas do pH e desestabilização da microbiota. As enzimas são proteínas e, portanto, são 100% biodegradáveis. A estrutura tridimensional que dá a atividade à enzima é desestabilizada por vários fatores externos, como alterações no pH ou na temperatura, e a presença de água (por hidratação de certos grupos químicos).

  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone LinkedIn

 Daytec © 2019 Todos os direitos reservados

Icone Daytec.png